Terça-feira, 1 de Julho de 2008

Nos campos dos algodoeiros

O fio ganha forma nas fieiras

Vira tecido

 

Tecido ganha corte,

Forma,

Molde.

No contorno de giz

Baila a tesoura.

 

Agulha passeia entre bordas

Une, constrói.

A forma revela-se

Pouco a pouco

 

A idéia vira veste

Da veste que veste

Esquenta

Acalma

Das mãos hábeis e

Ágeis.

 

De um amor

Que fia o fio

De tecido e tudo

Que esquenta e acalma.

Corta!

 

Observo as mãos

O tecido ganhando forma.

Apara minhas arestas

Define meus limites

Uni

De mim a mim

A você

E as mãos ainda passeiam

Pelo meu corpo

 



publicado por renovatio às 03:36 | link do post | comentar | favorito

posts recentes

Alvorada

Perdi meu remoto controle

For Sale!

Quem?

Chá, teorias e filmes

Nuvens....

Trechos!

My life for rent!

Estudos de Semiótica Comp...

Take my hand

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds