Terça-feira, 22 de Abril de 2008

Das linhas do seu rosto.
Da luz dos seus olhos.
Do modo que me olha.
Do modo em que passa a mão pelo seu próprio corpo.
De todas as coisas que vi maravilhei-me de todas.

E é deitado na minha cama,
Sozinho
Meu lado é só.
Mas a distancia é quebrada
O espaço mutável
Lentamente na penumbra
Você se faz presente.

Sem palavras, com seus gestos.
Mão no meu rosto
Beijo leve e doce nos meus lábios
Agora eu sou completo
Completamente embriagado
Pelo seu gosto
Seu corpo
Suas mãos
Esquecendo as vezes das minhas próprias

E assim espero você
Como quem espera um filho
E no ventre do imaginário
Você se forma lentamente
Junto pacientemente
Todas as coisas pra completar-te
Gravando-te no meu corpo
Imortalizando-te
Torno-te mais real que já es.


tags:

publicado por renovatio às 11:23 | link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De Perséfone B. a 22 de Abril de 2008 às 20:29
Não sou só eu que estou romantica heim?
Se bem que, se escrever mais alguma coisa bonitinha hoje, vão brotar abelhas do micro!

Adoro teus textos, já falei isso?

Beijos!


Comentar post

posts recentes

Alvorada

Perdi meu remoto controle

For Sale!

Quem?

Chá, teorias e filmes

Nuvens....

Trechos!

My life for rent!

Estudos de Semiótica Comp...

Take my hand

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds