Domingo, 11 de Janeiro de 2009

"Quando regressei à gaiola, não acreditei nos meus olhos: havia um novo prisioneiro na Charly-Charly-1, dentro de uma gaiola que até àquele momento tinha estado vazia. Era ainda novo, talvez da mesma idade que eu, teria 19 ou 20 anos. Estava deitado no chão e emitia uns sons baixos. Não estava a chorar, mas pensei que estava a ouvir uma coisa parecida com uma melodia, uma triste canção árabe. Já não tinha pernas. As feridas eram muito recentes. (...)
Quando os guardas apareceram para o levar para o interrogatório, ordenaram-lhe que se sentasse de costas para a porta e pusesse as mãos sobre a cabeça. Quando abriram a porta, precipitaram-se lá para dentro como sempre faziam: empurraram-lhe as costas e obrigaram-no a deitar-se, depois prenderam-lhe as mãos e amarraram-no, de maneira que ele já não se podia mover. Abdul gritava com dores.
Por que é que estavam a fazer aquilo? Ele já não tinha pernas, e talvez pesasse quarenta quilos. O que lhes poderia ele fazer? (...)
O estranho era que, embora tivesse sofrido dores inimagináveis, ele era uma pessoa muito contida. Apesar do seu péssimo estado, interessava-se pelos outros. Quando o IRF-Team lhe batia, nunca chorava. Mas quando via outros prisioneiros a serem espancados nas suas gaiolas, então chorava. Chorava alto. Tinha compaixão, embora ele próprio estivesse a ser tratado de um modo tão desumano. Depois foi mudado para outro lado e nunca mais o vi. "
(in O Meu Inferno em Guantánamo, Murat Kurnaz)



publicado por renovatio às 22:31 | link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De Tamires a 13 de Janeiro de 2009 às 06:16
Brutal, chocante e (de um jeito mto bizarro) é bonito.
Preciso ler esse livro, me lembra uma história q me contaram, sobre uma experiência em Stanford, onde pegaram alguns alunos, criados naquele modelo americano de perfeição sabe?
Dividiram eles em "prisioneiros" e "guardas", para testar aquele protótipo do policial bonzinho e do policial malvado, pouco depois as torturas, os estupros e todo o tipo de barbárie tornou-se comum. Isso as vezes me faz pensar, o que me leva a ter fé que o mundo pode mesmo ser um lugar melhor?

Beijos, se cuida!

P.S: Amo-te


Comentar post

posts recentes

Alvorada

Perdi meu remoto controle

For Sale!

Quem?

Chá, teorias e filmes

Nuvens....

Trechos!

My life for rent!

Estudos de Semiótica Comp...

Take my hand

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds