Segunda-feira, 21.07.08

 

Hoje essa musica se jogou em meus ouvidos, depois de um momento muito especial, nao sei quanto tempo ela estava escondida dentro de meu Ipod, provavelmente estava esperando o momento certo, e acertou esse era o momento e a pessoa certa.... meu amor do parquinho amo voce!

 

I'm a high school lover,
and you're my favorite flavor.
Love is all, all my soul.
You're my Playground Love.

Yet my hands are shaking.
I feel my body reeling,
times no matter, I'm on fire.
On the playground, love.

You're the piece of gold
that flashes on my soul.
Extra time, on the ground.
You're my Playground Love.

Anytime, anywhere,
You're my Playground Love.


sinto-me
música Playground love -air

publicado por renovatio às 06:13 | link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 07.07.08

Que me deixe dizer-te

Que os meus lábios apenas reconhecem o teu sabor,

Que as minhas mãos estranham outro corpo que não o teu,

Que o meu desejo não sobrevive sem ti…

Há quanto tempo estamos juntos? Não sei…

O que sinto por ti não se constrói em tempo finito e mensurável.

Só posso estar contigo desde sempre…

E sempre que ouço gritar que não posso ficar contigo,

Destruo os impossíveis e…

Espero,

Espero sempre…

 


sinto-me

publicado por renovatio às 05:56 | link do post | comentar | favorito

Sábado, 05.07.08

Só o vinho produzido na Região Demarcada do Douro, respeitando normas de produção e envelhecimento rigorosamente controladas, pode utilizar a denominação "Vinho do Porto". 

Durante o seu processo de envelhecimento, o vinho é submetido a provas de controlo de qualidade, quer analítica quer sensorial, efectuadas pelos Laboratórios e Câmara de Provadores do Instituto do Vinho do Porto, um dos organismos públicos mais antigos e prestigiados de Portugal. Esta entidade tem como principal missão o controlo oficial e a defesa do prestígio do Vinho do Porto bem como a sua promoção a nível mundial. Apenas os vinhos que cumprem os exigentes critérios de qualidade estabelecidos têm o direito de usar o selo de garantia emitido pelo Instituto do Vinho do Porto.

 

Vinhos do Porto com Data de Colheita 
Neste grupo distinguem-se os Vinhos do Porto que são envelhecidos em madeira dos que, após um estágio relativamente curto em casco, prosseguem o envelhecimento em garrafa. 

Vintage
- O Vintage é uma preciosidade. Depois de permanecer dois anos em contacto com a madeira, prossegue o seu lento envelhecimento em garrafa ao abrigo do ar e da luz. Pouco a 
pouco, o vinho melhora consideravelmente as suas características, desenvolvendo o seu "bouquet". O rótulo, além de indicar a data de colheita, tem que referir o ano do engarrafamento. Nesta categoria incluem-se os chamados "Vintage de Quinta'" obtidos a partir de uvas provenientes apenas da quinta que lhe dá o nome. 

Tr
atando-se de vinhos que podem ser consumidos nos anos seguintes ao engarrafamento, devem, no entanto, prosseguir o envelhecimento em garrafa. Com o tempo, o vinho apresenta um depósito. É por isto que deve ser decantado antes de ser servido. No início do seu envelhecimento em garrafa, a cor retinta é intensa e os aromas são complexos, muito frutados e florais. No sabor, combina características taninosas, adstringentes, com uma invulgar estrutura e persistência. O vinho vai-se alterando em termos de cor, acentuando toda a sua harmonia e complexidade à medida que vai envelhecendo. 

LBV (Late Bottled Vintage) - Este vinho, de grande qualidade, provém unicamente do ano indicado na garrafa. Antes de ser engarrafado, o LBV permanece em madeira 4 a 6 anos, 
tempo de maturação que lhe confere uma maior evolução de cor relativamente ao Vintage. São vinhos de intensa coloração, taninosos, de carácter jovem que no seu "bouquet" denotam uma componente ligeiramente oxidativa que provém do seu envelhecimento inicial em madeira.

 

Tawny com indicação de idade - Os tawnies de "10 anos", "20 anos", "30 anos" e "Mais de 40 anos" constituem lotações de vinhos de diferentes colheitas, envelhecidos em madeira, 
c
uja idade média é a indicada no rótulo. De cor alourada pelo prolongado envelhecimento em madeira, as principais características de um Tawny com indicação de idade são a complexidade de aromas, a frescura, a persistência aromática e o refinamento.



publicado por renovatio às 00:36 | link do post | comentar | favorito

Não tem mais lar o que mora em tudo.
Não há mais dádivas
Para o que não tem mãos.
Não há mundos nem caminhos
Para o que é maior que os caminhos
E os mundos.
Não há mais nada além de ti.
Porque te dispersaste...
Circulas em todas as vidas
Pairas sobre todas as coisas
E todos te sentem
Sentem te como a si mesmos
E não sabem falar de ti.
 

 
Cecília Meireles


publicado por renovatio às 00:21 | link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 04.07.08

Hoje acaba meu Shiv'á vou sair finalmente pra ver as modas sem ter que ficar olhando por chão e observar as coisas que realmente eu gosto, comer e beber! Preciso de um vinho urgente, já separei uns bons pra me acompanhar nesse final de semana, preciso mesmo me adormecer de alguma forma, os vinhos são sempre meu maior pecado!

 


sinto-me

publicado por renovatio às 23:44 | link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 03.07.08

O fim

Que sorrateiramente

Chega

Aloja

Instala

Decompõe aos poucos

E a dor chega junto ao fim

 

O que é o fim?

Além das lagrimas

Alem das dores

 

Estaria o fim próximo?

Consumindo-me

Devorando-me

 

Ainda não há lagrimas

Mas haverá

Será a ultima vez

 

Toda historia tem um fim!

Mas na vida o fim

Pode ser um

Novo começo.



publicado por renovatio às 03:06 | link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 02.07.08

Esperando o trem de volta pra casa, vejo as pessoas passarem umas apressadas e outras com os olhos a fotografar tudo a sua volta, tudo que seria peculiar, único, mágico, e fico sentado em minha pequena cadeira e tentando enxergar as suas coisas, olhando dentro do seu intimo, como se isso realmente me interessasse. Quantas delas estariam pensando em seus amores? Estariam felizes? Deram um beijo de bom dia ao sair? Disseram a ele o quando o amava? O quanto era importante estar ao seu lado?

As vezes não nos damos conta de nosso amor ate perdermos, ate que esse amor esteja fugindo aos poucos de nosso peito, com uma diminuição gradual do que era, não percebemos essa fuga, ate seu desaparecimento por completo, e nunca saberemos pra onde ele foi.

Quantas dessas pessoas que passaram por mim se deram conta nas coisas ao seu redor? eu fui percebido? Elas se perguntaram porque eu estaria ali? Estive por um tempo a ver todas as expressões que seus rostos imprimiam, todas de preocupações, mais quais seriam essas preocupações? Dinheiro? Brigas com a família? Ânsia de ter uma vida confortável, mesmo que isso lhe custe sua saúde e que a vida passe sem mesmo ser notada?

São tantas as coisa que passam por nós e nunca a notamos, talvez nunca notaremos, elas deveriam ficar em silencio guardadas em nosso intimo, trancadas num cofre bem escondido. Mas se fossem reveladas alguém poderia nos ajudar? Poderia nos mostrar um caminho menos doloroso?

Disso não tenho certeza, não tenho como tê-la. Mas agora queria ver todos os segredos guardados dentro dessa gente, dentro de seus corações. Talvez alguém escreva sobre isso, um bom livro de pessoas que passam por nós e nunca são notadas, nunca são escritas, nunca são imortalizadas.

Fico aqui com essa questão que me perturba, quem são elas? Pra onde irão? Saltaram na próxima estação? Seguirão com o trem? Por que das lagrimas? Com quem ela fala ao celular? quais são seus segredos? Tudo que quero saber! Não deveria são coisas tão intimas, que não deveria indagar tal coisa. Mas leio um livro com tudo isso, segredos, dores, lagrimas, romance, esquecimento, mas são de pessoas que não conheço, nunca vi nem nunca verei. Mas os personagens dessa historia poderiam ter passado por mim muitas vezes e eu nunca os notei! Talvez as coisas devem se manter assim, no segredo, só reveladas nas paginas de um livro sem imagens!

Essa minha ânsia de saber dos seus segredo, das suas dores, das suas coisas, talvez falte a dor que não tenho pra escrever, talvez queira roubar suas dores e torná-las minhas pra uma grande historia acontecer, sofrê-las ate a ultima gota e tudo ser transformado em palavras e paginas... Mas um dia essa dor chegara, não de um roubo, mas de um anuncio breve, esse dia não sei quando será, mas só sei que será breve, já consigo enxergar o fim.



publicado por renovatio às 19:24 | link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 01.07.08

Despido pelo verbo

De voz

De dentro

De certo

 

De vento

Que leva

Que sai

Verbo!

 

De tudo

Que junta

Sente

Senta

Chora

 

Luz que queima

Consome

E some

 

E fico

Sem verbo

O sujeito

Sem jeito

Com fome

De verbo.

 



publicado por renovatio às 00:39 | link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 24.06.08

Incrível como essa banda sempre mexe comigo... Ouvi essa musica hoje e as lagrimas não puderam ficar em meu interior, nao sei porq mas vieram naturalmente, acho que ando sensivel hoje!

Acordei meio... sei la como...

 

 

Was a long and dark December
From the rooftops i remember
There was snow white snow
Clearly i remember
From the windows they were watching
While we froze down below
When the future's architectured
By a carnival of idiots on show
You'd better lie low
If you love me
Won't you let me know?

Was a long and dark December
When the banks became cathedrals
And the fog became God
Priests clutched onto bibles
Hollowed out to fit their rifles
And a cross held aloft
Bury me in armour
When i'm dead and hit the ground
My nerves are poles that unfroze
And If you love me won't you let me know?

I don't want to be a soldier
With the captain of some sinking ship
With stow, far below
So if you love me why'd you let me go?

I took my love down to violet hill
There we sat in snow
All that time she was silent still
Said if you love me won't you let me know?
If you love me won't you let me know?


sinto-me sei la como
música Coldplay - In My Place

publicado por renovatio às 01:41 | link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 23.06.08

Terminei a leitura do livro “Viagem” da Cecília Meireles, esse livro me deixou inquieto, é como se perdesse o rumo, vagando dentro do meu próprio ser. A poesia sempre me tocou a alma, mas esse livro mexeu profundamente comigo, sinto que ainda estou a digerir seus versos. Ele foi sem duvidas alimento pra alma, e fica agora guardado dentro do meu ser, delicadamente envolto em uma renda, livre das corrosões causadas pelas perturbações diárias.

 

Se “a poesia é pra comer” esse livro é dotado da mais alta gastronomia,

 

 

 

deliciamo-nos a cada pagina, a cada verso que nos desnorteiam, na verdade estamos nos despindo, tirando as vestes de observações antigas a poesia nos consome, nos sangra, afia os nossos ossos em fios luminosos, nos despe desse corpo cansado. Depois nos dá uma veste nova, dotada de outra luz, com outras percepções.

 

Fiz uma pequena seleção de poemas que gostei mais, e que me tocaram de forma mais especial que outros.

 

Personagem

 

Teu nome é quase indiferente

E nem teu rosto já me inquieta.

A arte de amar é exatamente

A de ser poeta.

 

Para pensar em ti, me basta

O próprio amor que por ti sinto:

És a Idea, serena e casta,

Nutrida do enigma do instinto.

 

O lugar da tua presença

É um deserto, entre variedades:

Mas nesse deserto é que pensa

O olhar de todas as saudades.

 

Meus sonhos viajam rumos tristes

E, no seu profundo universo,

Tu, sem forma e sem nome, existes,

Silencioso, obscuro, disperso.

 

Toda as mascaras da vida

Se debruçam para o meu rosto,

Na alta noite desprotegida

Em que experimento o meu gosto.

Todas as mãos vindas ao mundo

Desfalecem sobre o meu peito,

E escuto o suspiro profundo

De um horizonte insatisfeito.

 

Oh! Que se apague a boca, o riso,

O olhar desses vultos precários,

Pelo improvável paraíso

Dos encontros imaginários!

 

Que ninguém e que nada exista,

De quanto a sombra em mim descansa:

- eu procuro o que não se avista,

dentre os fantasmas de esperança!

 

Teu corpo, teu rosto, teu nome,

Teu coração, tua existência,

Tudo – o espaço evita e consome:

E eu só conheço a tua ausência.

 

Eu só conheço o que não vejo.

E, nesse abismo do meu sonho,

Alheia a todo outro desejo,

Me decomponho e recomponho...

 

Serenata

 

Permite que feche os meus olhos,

Pois é muito longe e tão tarde!

Pensei que era apenas demora,

E cantando pus-me a esperar-te.

 

Permite que agora emudeça:

Que me conforme em ser sozinha.

Há uma doce luz no silencio

E da dor é de origem divina.

 

Permite que volte o meu rosto

Para um céu maior que este mundo,

E aprenda a ser dócil no sonho

Com as estrelas no seu rumo.

Assovio

 

Ninguém abra a sua porta

Para ver o que aconteceu:

Saímos de braço dado,

A noite escura mais eu.

 

Ela não sabe o meu rumo,

Eu não lhe pergunto o seu:

Não posso perder mais nada,

Si o que houve já se perdeu.

 

Vou pelo braço da noite,

Levando tudo o que é meu:

- a dor que os homens me deram,

e a canção que Deus me deu.

 

 

 


música Ainda Bem - Vanessa da mata

publicado por renovatio às 00:48 | link do post | comentar | favorito

posts recentes

Playground Love - Air

Sempre

Escolhido meus companheir...

Cântico XIX

Shiv'á

O fim

Das coisas que quero, a u...

Verbo

Assim.... Assim... melhor...

Viagem das viagem

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds