Terça-feira, 26.05.09

"A memória em si não é nada. Não é bonita nem feia, nem útil nem inútil. Ia a dizer que era o que se quiser, mas nem isso. É uma maneira de dar sentido ao que se vive. É uma coisa que fazemos. Em nome do que trazemos na alma, e por causa do amor, faz sentido fazê-la o melhor que podemos. Agora há alguém que seja capaz de me explicar porque é que eu não sou capaz de me lembrar da cara do meu Amor? A memória é uma coisa que não lembra ao diabo."

 

in Miguel Esteves Cardoso, "A Aventura da Memória"



publicado por renovatio às 05:33 | link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Terça-feira, 29.07.08

Conseguirei alguma vez descrever

através da escrita o imenso mar de
sentimentos que habita na minha alma?
Conseguirei alguma vez encontrar as palavras certas que desnudem
os meus sentidos?
Será? Ou serão sempre fantasias minhas destinadas a viver
unicamente em mim?
É....solto mais uma folha de papel que acaba por se entregar
languidamente ao chão...

 

 

 

 

Se queres saber quem sou, o que sou
Sente a música que te toco!
É a minha alma que compõe o que ouves!
Sou eu!



publicado por renovatio às 00:08 | link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 24.07.08

Hoje eu acordei meio estranho, minhas coisas estão mega atrasadas, minha pesquisa não existe mais, tese mega empoeirada jogada em algum lugar esquecido do notebook, mil artigos que eu deveria entregar paras as revistas estão encalhados, meus co-autores querem minha cabeça numa bandeja de prata. Séculos que eu não vejo bicho, e tem milhões de e-mails na minha in-box perguntando se eu não quero participar como consultor de ong fajutas.

E ainda tem o trabalho em conjunto com o MOP/COP de contribuição na divulgação do conhecimento em biodiversidade, tudo pronto todos os scripts do programa estão prontos, todos os dados alocados no banco de dados, só falta a bosta de um layout que seja clean e funcional, que por sinal é o mais difícil pra mim, não sei como uma pessoa aprende mil coisas sozinho, mas não consegue aprender a fazer um simples layout?

Eu que deveria estar afundado nas teorias da evolução biológica, estou encharcado de notas fiscais e tentando vender coisas, acho que sai do ramo de pesquisa e entrei pro mundo degenerativo dos negócios e dinheiro, juro que isso esta me deixando maluco, na minha mesa que outrora era rechiada de livros, artigos e pensamentos, agora vive cheia de planilhas, extratos, orçamentos, previsões orçamentárias, e contas.... hunf.

Tudo que eu queria agora era estar em um avião rumo aos trópicos, pensando no encontro com meu amor, de primeira classe tomando algo diferente de 2 dedos de suco de laranja de caixa, e comendo algo diferente de amendoim e barra de cereal,  acho que eu merecia isso, mas meu dinheiro é curto me contento com a econômica onde eu preciso fazer malabarismo com as minhas pernas, sigo esperando o dia que eu terei que despachar as pernas em um vôo e o resto seguir no próximo.

Por que eu não tenho 2 milhões de libras na minha conta? Por que eu não tenho uma casa com um pequeno jardim onde eu possa cuidar de rosas? Por que eu não posso fazer uma torta de maçã e esperar o amor chegar no inicio da noite?

Quero sair daqui agora, quero meus bichos, minha casa, meu calor, minhas reclamações de sempre, não quero mais novas reclamações!

 

Ah! Sei lá não quero saber mais de nada, só queria estar em um avião com as pernas encolhidas mas na certeza de receber um mega beijo de boas vindas.... quero você agora.... hunf!

 

(Texto escrito muito furioso da vida!)


sinto-me

publicado por renovatio às 22:21 | link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 22.07.08

Eu quero uma vida de casamento, café da manha junto, de roupa de cama enrugada no sábado a tarde de tanta preguiça, quero as preocupações da vida a dois, quero tudo desde que seja com você!

Eu quero que todos os meus dias sejam dias de casamento, quero pedir-lhe a mão em casamento a cada amanhecer, e ao entardecer esse pedido será reforçado no surgimento de uma lua coberta de mel.

O meu pedido:

 

Pedido de Casamento

 

Eu sei que a gente ia ser feliz juntinho
Pra todo dia dividir carinho
Tenho certeza de que daria certo
Eu e você, você e eu por perto

Eu só queria ter o nosso cantinho
Meu corpo junto ao seu mais um pouquinho
Tenho certeza de que daria certo
Nós dois sozinhos num lugar deserto

Se você não quiser
Me viro como der
Mas se quiser me diga, por favor
Pois se você quiser
Me viro como for
Para que seja bom como já é

Eu sei que eu ia te fazer feliz
Dos pés até a ponta do nariz
Da beira da orelha ao fim do mundo
Sugando o sangue de cada segundo

Te dou um filho, te componho um hino
O que você quiser saber eu ensino
Te dou amor enquanto eu te amar
Prometo te deixar quando acabar

Se você não quiser
Me viro como der
Mas se quiser me diga, meu amor
Pois se você quiser
Me viro como for
Para que seja bom como já é

Arnaldo Antunes


sinto-me

publicado por renovatio às 18:20 | link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 17.07.08

Hoje eu acordei com nítida sensação que eu me vi dormir a noite toda, esta tão clara na minha mente que posso ate descrever. Dormia aninhado entre as cobertas, com um semblante tranqüilo, confiante, um leve sorriso beijava meus lábios, cabelos levemente desorganizados, parecia ser ninado por algo invisível, seria eu mesmo quem ninava? Como seria possível eu lembrar? Mas eu estava lá lindo, tranqüilo, sereno, parecia que sonhava com campos de margaridas, nada parecia importar mais, ou parou de importar, a velocidade das coisas diminuíram no exato momento do meu sono. E eu ali, não cansava de me ver, acho que era a primeira vez em séculos que parava pra me observar, via todos os meus nuances. Era emocionante o simples fato de eu mesmo poder me dar um afago, um carinho pela face, um amor fraterno de mim para comigo.

Amanheceu e eu permaneci na cama, ainda no meio das cobertas, e o sorriso permanecia ali, uma felicidade me invadia, tomava conta de mim, se espalhava pelo meu sangue, e fazia meu coração bater de uma forma diferente. Ouvia musica bem baixinha que vinha do quarto da minha irmã, ela era suave, mas mesmo assim era percebida por mim, fiquei um segundo ali deitado ouvindo aquela canção que me lembrava a adolescência, lembre de pessoas e momentos vividos naquela canção, ri! E ri de coisas que não me lembrava mais. Resolvi finalmente levantar, mas o sorriso ainda ali, estampado, grudado, como se fosse uma tatuagem. A água quente que rolava pelo meu corpo me dava uma sensação tão boa de limpeza, de limpeza da alma, como se tudo estivesse sendo lavado ali naquele momento. Uma roupa bem bonita no corpo, cabelos delicadamente penteados, perfume e todo um preparativo ritualístico pro café da manha, pensei – isso tudo por café da manha? Afinal de contas eu mereço, quero estar diferente hoje, me sinto diferente.

Na mesa do café todos reunidos era uma família diferente da que eu tinha deixado na mesa do jantar, os rostos estavam diferentes, as coisas não eram as mesmas. As cores estavam diferentes, o céu de um azul intenso, arvores de vivo verde, e o amarelo do suco de laranja que mais me chamou atenção. Minha “diferença” foi notada por todos, com breves comentários sobre o que poderia ter acontecido, mas não havia descrição sobre nada, eu mesmo não sabia de nada. Como se tudo fosse pela primeira vez, fiquei ali sentado naquela mesa, de cores e odores, dos assuntos pela volta que me fascinavam, de um lindo bebê que se deliciava com um grande pedaço de bolo, que por sinal era delicioso. Toda a gente foi redescoberta, todos se perguntando sobre seus sonos, de como o vento bateu forte na noite, de como seriam seus dias, das noticias nos jornais, e aquele sorriso que ficava ali, e eu fazia questão de distribuí-lo para todos, afinal eu recebi de graça.

Ajudei a minha me e minha irmã a recolher as coisas do café, levando cuidadosamente a louça pra cozinha, e minha mãe lá linda, nunca tinha reparado na beleza dela, resolvi pegar a ultima dose de café antes de sair, e ela me pergunta – o que houve moço? Qual o motivo dessa diferença toda?. Não sabia explica e ela sabia disso, e logo pousei a xícara na bancada da cozinha e me apressei, ela cuidadosamente me deu um beijo e esticou minuciosamente o meu casaco, não recebia um beijo desses dela desde que era um miúdo, não sei se eu bloqueie em algum momento, se não dava a brecha necessária, mas com a minha diferença de hoje ele pode acontecer, e isso me fez mais feliz que nunca, retribui o beijo e como sempre faço questão de deixar claro, disse que a amava do tamanho do universo. Caminhando ate o carro notei três florzinhas, dessas que nascem em qualquer lugar, peguei as três e a presenteei cada um dos meus amores.

Na estrada ate a nova e breve ocupação, percebi o que tinha acontecido, notei o extraordinário, eu tinha reencontrado minha essência, tinha me notado, me redescoberto e permanecia feliz por isso. Percebi que não podia mais bancar o Jesus para os leprosos que eu mesmo inventava, que eu não podia levantar os mortos. Eu estava perdido antes mesmo de chegar aqui, e agora finalmente me reencontrei. Eu tinha amarrado todas as coisas que me impossibilitavam num baú, abri o mar com minhas mãos e o joguei, e me sinto bem por isso. Não podemos fica sem nos mesmos. Luiz Antonio levantou de um sono de esquecimento e agora esta aqui, percebido por ele mesmo, eu me conheci e gostei do que vi. Nada será como antes, todos já me conheciam menos eu mesmo.

Trechos para esse dia:

 

“That I would be loved even when I numb myself
That I would be good even when I am overwhelmed
That I would be loved even when I was fuming
That I would be good even if I was clinging”

 That I would be good – Alanis Morisset

“Your love is thick and it swallowed me whole
You're so much braver than I gave you credit for
That's not lip service

You are the bearer of unconditional things
You held your breath and the door for me
Thanks for your patience “

Head over Feet – Alanis Morisset

“Sometimes the system goes on the blink
And the whole thing turns out wrong
You might not make it back and you know
That you could be well oh that strong
And I'm not wrong”

Bad Day – Daniel Powter

“While my heart is a shield
And I won't let it down
While I am so afraid to fail
So I won't even try
Well how can I say I'm alive?

But if my life is for rent
And I don't learn to buy
Well I deserve nothing more than I get
Cos nothing I have is truly mine”

Life for Rent – Dido

” And I won’t go, I won’t sleep, I can’t breathe
Until you’re resting here with me
And I won’t leave, and I can’t hide, I cannot be
Until you’re resting here with me”

Here with me – Dido

Tem muitas outras musicas que me acompanharam nesse dia de felicidade mas deixo isso pra lá, e coloco só as que me acompanharam durante a escrita desse texto.

 


sinto-me

publicado por renovatio às 06:06 | link do post | comentar | favorito

Deixa-me pedir o impossível!

Deixa-me pedir que fiques comigo, hoje! Especialmente, hoje!

Não precisas responder,

Deixa ser o teu olhar a fazê-lo.

Deixa que ele transforme este desejo em realidade,

Eu sei que não é possível, mas deixa-me imaginar que sim!

 

Queria tanto acordar ao teu lado.

Queria olhar-te despido de medos,

De incertezas, de impossibilidades.

Queria percorrer o teu corpo, nu,

Enquanto te dizia o que significas para mim.

Queria dizer-te que, ao pé de ti,

Todos os impossíveis me parecem realizáveis.

Mas não são.

Eu sei que não são.

Mas deixa-me pensar que sim.

 

Queria acordar-te ao beijar os teus ombros

Despidos e que os nossos olhares se encontrassem

Com tal intensidade,

Que tudo o resto nos parecesse absolutamente insignificante.

Mas deixa-me perguntar:

-Ficas comigo esta noite?


sinto-me

publicado por renovatio às 01:05 | link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 11.07.08

Afinal de contas o que é a beleza? Como ela é percebida por nossos olhos? Compramos um “belo” pronto ou adquirimos esse conceito por nossas visões e percepções da vida que levamos? Todos os dias somos apresentados a novas “belezas” as vezes a consideramos outras pensamos muito antes de adquirir esse novo conceito. Mas são sempre conceitos que podem ou não mudar nossa percepção do belo, o belo pra ser verdadeiramente belo deve necessariamente ser simples, deve ser dotado de atributos de infinita delicadeza, deve ser comovente.

Vejo as ditas belezas modernas pela tv e jornais, das coisas que julgam por nós, isso é belo e não devem questionar! Não! para mim não, ela não me comove nenhum pouco, não me causa brilho nos olhos, não me ofusca a visão, talvez ate cause um pequeno ofuscamento mas pelo excesso de coisa, excesso de penduricalhos, e formas que não me agradam. Não é simples, é exagerado, estamos na época da beleza exagera, que extrapola todo o conceito de simples.

Não sei exatamente o que é belo, só sei que esse conceito pra mim é totalmente diferente das concessões e concepções gerais, pra mim tudo é diferente, é como um passeio no Louvre e ver a mona lisa de perto e dizer: Como é belo! Belo? Coisa nenhuma! São séculos de imposição em achar que só a arte acadêmica ou dos grandes mestres da pintura, é que são belos. A arte por si só é a representação da beleza é nela que colocamos o que aprisionamos dentro de nós, na arte a beleza é livre, é a beleza enquadrada pela cultura e vista pelos olhos do artista, é a beleza que eu quero!

Na verdade a questão da beleza é tão velho quanto o próprio pensamento humano, a cada época se tem supostos “padrões de beleza” uns seguem cegamente e outros cagam pra padrões, mas eles existem são quase instituições sociais, são tão importantes quando organismos básicos do nosso ser social, ser bonito pra fulano, estão bonito pro cinema, ter uma roupa bonita pra balada! Eu nasci pelado e ainda arrumai uma mãe que me enfiou dentro de uma linda roupinha azul e me ensinou desde criança que azul é belo pros meninos e rosa é belo pras meninas, e depois ainda tem a crise do pensamento contemporâneo que diz que homem também fica lindo de rosa e camisa com florzinha, gente! É pra enlouquecer ou não é? Era melhor ter ficado pelado assim seria melhor!

E já não é primeira vez que eu ouço a seguinte frase “mas você se esconde, esconde sua beleza”, talvez eu não me esconda, talvez eu esconda a minha própria beleza, num ato de privá-la do canibalismo, tentando preservar o que há de belo nesse ser. Apesar de não me achar belo no conjunto, pernas muito grandes, os pés tadinhos nem se fala, castigados por uns anos de balé clássico, mas sim me acho belo nas partes, na simplicidade, me acho belo com pé no chão, nas horas de sono e preguiça. Na minha beleza simples, não na forma moldada e pré-fabricada. NÃO QUERO MAIS ESCREVER, CANSEI!

 

Esse texto era pra ser totalmente diferente, mas acho que fugi totalmente do que queria dizer! Não vou revisar, perdoem-me por ocasionais erros!


sinto-me
música James blunt - 1973

publicado por renovatio às 05:17 | link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 08.07.08

Hoje eu fui a uma loja, dessas que vendem desde livros, Cds ate produtos de informática, de tudo você encontra, adoro ficar vagando por entre os corredores, por entre as seções literatura portuguesa, literatura estrangeira, ate pelas seções de direito eu passo, parece um ritual, não toco em nenhum exemplar na primeira passada, deixo que os livros notem minha presença, na segunda passada eu olho pra eles, vejo suas cores, suas capas, espero pacientemente que um livro me pegue pelo braço, se jogue em cima de mim. Temos que estar prontos paras ler os livros, não podemos forçar um leitura, ela deve correr macia e calma, como uma conversa com um amigo querido em um café nebuloso pelos charutos e conhaques.

Separei uns títulos que eu precisava levar, itens de urgência, uma gramática da língua portuguesa (português de Portugal), um dicionário de português (também de Portugal) e um dicionário de latim, que não achei é claro, mas ainda tenho sebos que podem me salvar (que são sempre um bom amigo em coisas que não se encontram em grandes redes), resolvi levar alguns títulos de literatura e poesia, mas não os escolhi, fui escolhido por eles, com a cesta enchendo de títulos necessários e outros companheiros que insistiam em ser lidos, levei lápis, canetas, e papel, o velho papel que amo tanto, do barulho e cheiro do grafite passando pelas suas fibras e revelando o poder da escrita e desenhos.

Depois de decidir que não levaria mais nada, resolvi passar pela seção de Cds e DVDs, afinal ninguém vive sem musica, pelo menos eu não vivo sem, sempre tem algo rolando na vitrola, e ao fundo rolava jazz que eu amo, fiquei ouvindo aquela musica e viajando literalmente ou seria literariamente? Não sei mas fiquei ali, de repente ouço uma voz tímida a chamar Luiz, não dei atenção já que grande parte dos portugueses se chamam Luis, Manoel, Joaquim ou um misto de todos esses nomes. Continuei a minha busca por uma musica nova e agradável, eis que uma mão segura meu braço e pergunta, Luiz Antonio? Sim sou eu! E a voz e o rosto pergunta novamente, não lembra de mim? É claro que eu não lembrava da criatura, e tentava ganhar tempo fazendo cara de simpático, mas decidi confessar que não lembrava mesmo, e a pessoa começou a desfiar o rosário, sou eu Alex estudei contigo em 1922, nossa fazia tanto tempo que não tinha reconhecido a pessoa, mas como ele tinha me reconhecido? Mas logo soltou, nossa você não mudou nada! Sorte eu ainda ter a mesma cara que eu tinha aos 10 anos de idade, acho que o tempo e as leis da natureza estão sendo muito gentis comigo.

Aceitei o convite pra um café que ficava ali mesmo no meio dos Cds, e conversa vai e conversa vem, olhei para o telão logo acima da minha cabeça e roubou minha atenção imediatamente, onde passava um Clip muito agradável, uma voz suave mas ao mesmo tempo notável, e o lugar onde se passava o Clip era o Rio de janeiro, claro que imediatamente pousei a xícara, e fiquei a observar... todos os lugares onde eu passei com uma pessoa era mostrado, mas uma coisa me chamou mais atenção, uma livraria/sebo situada na rua do rosário, onde existe um charmoso bistrô, com cadeiras nas ruas, imediatamente o falastrão chato que estava a minha frente desapareceu e eu imediatamente soltei aqueles sorrisos bobos, desses que só soltamos quando estamos apaixonados e lembramos do ser amado. Me lembrei de como aquele anoitecer foi o mais agradável que uma pessoa pode ter, lembre de todos os momentos passados naquelas ruas... nossa logo paguei o café e comprei o Cd e fico ate agora ouvindo a musica....

 

Pra pessoa que foi lembrada nessa canção só tenho uma coisa a dizer: “te amo”

Vai a letrinha!

 

 

P.D.A. (We Just Don't Care)

John Legend

 

Let's go to the park

I wanna kiss you underneath the stars

Maybe we'll go too far

We just don't care

We just don't care

We just don't care

 

You know I love it when you loving me

Sometimes it's better when it's publicly

I'm not ashamed I don't care who sees

Us hugging & kissing a love exhibition Oh

 

We'll rendezvous out on the fire escape

I'd like to set off an alarm today

The love emergency don't make me wait

Just follow I'll lead you

I urgently need you

 

Let's go to the park

I wanna kiss you underneath the stars

Maybe we'll go too far

We just don't care

We just don't care

We just don't

 

Let's make love, let's go somewhere they might discover us

Let's get lost in lust

We just don't care

We just don't care

We just don't care

 

I see you closing down the restaurant

Let's sneak and do it when your boss is gone

Everybody's leaving we'll have some fun

Oh maybe it's wrong but you turning me on

Ooh, we'll take a visit to your Mama's house

Creep to the bedroom while your Mama's out

Maybe she'll hear it when we scream and shout

But we'll keep it rocking until she comes knocking

 

Let's go to the park

I wanna kiss you underneath the stars

Maybe we'll go too far

We just don't care

We just don't care

We just don't

 

Let's make love, let's go somewhere they might discover us

Let's get lost in lust

We just don't care

We just don't care

We just don't care

 

If we keep up all this fooling around

We'll be the talk of the town

I'll tell the world I'm in love any time

Let's open the blinds 'cause we really don't mind

 

Oh I don't care about propriety

Let's break the rules, ignore society

Maybe our neighbors might spy it's true

So what if they watch when we do what we do

 

Oh, let's go to the park

I wanna kiss you underneath the stars

Maybe we'll go too far

We just don't care

We just don't care

We just don't

 


sinto-me
música P.D.A. (We Just Don't Care) - John Legend

publicado por renovatio às 02:26 | link do post | comentar | favorito

Sábado, 05.07.08

O sol se anuncia

Majestoso, com suas cores a mesclar o céu

Tons de laranja e amarelo

Misturam-se

Revelam um azul intenso

Contrasta com o negro da noite

 

Eu fico cá pensando em ti

Na distancia

No negro da noite que ainda lhe embala

E aos bares com amigos a falar das coisas cotidianas

Peço que a lua te guarde

 

Nas linhas do meu rosto

O teu se revela no alvorecer desse dia

Que do calor dessa estrela

Nos laranjas e azuis

No calor de seus braços que meu corpo tanto precisa

 

Deito-me em meu leito

Com esses olhos já tão cansados de ler

A taça ainda na mesa e a fumaça do ultimo cigarro

E na minha lembrança teu rosto

Tranqüilo e calmo

Deito-me

Aninho ao seu lado

 

Você se desfaz lentamente

Seu corpo some como uma nuvem que desaparece

Se desfaz

Era só uma lembrança

Agora cá só

Livro ao chão

Coração na mão

 

Velo o teu retorno a mim

Sigo esperando-te sempre

Oh! Tempo

Faça que chegue logo...


sinto-me

publicado por renovatio às 05:42 | link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 03.07.08

O fim

Que sorrateiramente

Chega

Aloja

Instala

Decompõe aos poucos

E a dor chega junto ao fim

 

O que é o fim?

Além das lagrimas

Alem das dores

 

Estaria o fim próximo?

Consumindo-me

Devorando-me

 

Ainda não há lagrimas

Mas haverá

Será a ultima vez

 

Toda historia tem um fim!

Mas na vida o fim

Pode ser um

Novo começo.



publicado por renovatio às 03:06 | link do post | comentar | favorito

posts recentes

Perdi meu remoto controle

Dos mares que guardo em m...

Mega estressado!

Dos meus pedidos de casam...

Hold your breath and coun...

Da impossibilidade das co...

Ensaio sobre a beleza

We Just Don't Care

O sol se levanta

O fim

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds