Quarta-feira, 23 de Abril de 2008

Nunca tinha escrito poesias antes, nao sei o que anda acontecendo comigo, ou melhor, eu sei só nao quero contar rsrs...
Nao estou gostando muito delas, nao sei porq, mas o meu bloco já esta chegando ao fim, preciso providenciar um novo. Prefiro escreve-las no papel, gosto do ruido do grafite na folha branca, o grafite imortalizando sentimentos, amores... muitos nao serao publicados aqui, serao entregues ao seu verdadeiro dono, mas isso é uma outra historia....

Resolvi postar essa poesia da Cecília que li hoje cedo, talvez esse poema tenha influenciado o meu, nao sei se sou eu quem faço poemas, ou os poemas que me fazem....

mas mesmo assim resolvi postar o meu e o da Cecília

Cântico XVII

Perguntarão pela tua alma.
A alma que é ternura,
Bondade,
Tristeza,
Amor.
Mas tu mostrarás a curva do teu vôo
Livre, por entre os mundos...
E eles compreenderão que a alma pesa.
Que é um segundo corpo,
E mais amargo,
Porque não se pode mostrar,
Porque ninguém pode ver...

Cecília Meireles



publicado por renovatio às 16:36 | link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De Harrison a 2 de Maio de 2008 às 21:13
palavras saltam dos dedos, do lápis, da boca... têm destino certo - as ravinas dos meus sentidos: minha alma.


Comentar post

posts recentes

Alvorada

Perdi meu remoto controle

For Sale!

Quem?

Chá, teorias e filmes

Nuvens....

Trechos!

My life for rent!

Estudos de Semiótica Comp...

Take my hand

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds