Sexta-feira, 18 de Abril de 2008

Na cidade das possibilidades mas uma noite se anuncia, se anuncia calma e tranqüila, a lua grande e bela como uma verdadeira rainha divide o céu com o seu amado nesse inicio de noite, saudosa de um amor que lhe foi negado desde o inicio dos tempos.

As águas da lagoa começam a mudar de tom lentamente de um verde bem claro, a um tom mais escuro ate chegar finalmente ao negro da noite, a brisa que me cerca é gélida típica dos outonos europeus, um anuncio claro que uma noite agradável, aconchegante, e meu coração esperançoso mais uma vez se alegra pela proximidade da hora que se anuncia.

As luzes da cidade começam a ser acendidas, começam os preparativo de muitos pra mais uma noite de sexta-feira, os meus preparativos também começam, mas não pra sentar-me em um bar qualquer, não pra conversas aleatórias sobre a crise econômica americana, não quero saber dos acidentes de transito. Pizzaria Guanabara? Lapa? Não! Não quero mas os contatos superficiais cariocas, preparo meu corpo e mente pra mais uma vez te ouvir pacientemente, aquecer seu corpo, ouvir como foi seu dia.

Me lembro das minhas “sexta-feira” no meu saudoso Porto, sentado embaixo da ponte comendo Tortilla e bebendo vinho, olhando as águas negras do rio d’ouro, hoje como Camões imagino o quanto do sal do atlântico não foi derramado pelos meus queridos de alem mar. Não derramo mais as lagrimas de outrora. Meu coração é alegre e festivo, meu sorriso sempre constante, uma felicidade que me aquece a alma, ando pelos meus caminhos já tão conhecidos como se das calçadas cinzas brotassem lírios, e contos de fadas.

Meus dias são dotados de preocupações especiais, será que comeu? Levou o casaco? Precisa de uma abraço? Como esta sendo seu dia? Precisa chorar? Como eu quero te abraçar e acalentar seu sono, meus pensamentos voam pra alem das fronteiras de meu estado, alem de minha própria compreensão, realmente só os portugueses podem se orgulhar de sentir saudades, só nós sabemos o verdadeiro significado dela, ainda bem que temos essa palavra pra nos orgulhar.

Deveras, de tudo ao meu amor serei atento, de todas as possibilidades que existirem farei o meu maior sempre possível, me reinvento a cada manha, me livrando de todos os meus grilhões que sempre me prenderam nesse chão material e palpável, entro em um novo mundo jamais percebido, um mundo de sonhos, de nuvem, de pôr-do-sol, de lembranças, de saudade, de tudo que sempre sonhei. Mas não estas aqui, pelo menos por enquanto, enquanto não estas preparo o meu melhor pra lhe dar como um presente.

Te quero não com o desejo dos mortais, te quero com a intensidade da minha alma!

Lua cheia, perfeita pra um romance, já tenho o meu, esta guardado comigo, esta guardado comigo o seu nome.



publicado por renovatio às 14:40 | link do post | comentar | favorito

posts recentes

Alvorada

Perdi meu remoto controle

For Sale!

Quem?

Chá, teorias e filmes

Nuvens....

Trechos!

My life for rent!

Estudos de Semiótica Comp...

Take my hand

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds